sexta-feira, 3 de junho de 2011

Nutricionista, nutrólogo ou endocrinologista: quem eu devo procurar?

A pergunta acima com certeza já passeou pela mente de muitas pessoas.
É importante que saibamos o seguinte: apesar de algumas semelhanças na atuação desses profissionais, as funções são bem distintas, a saber:
O nutricionista é o profissional de saúde que estuda em detalhes a composição dos alimentos e as relações estabelecidas entre eles e o homem, sendo o ÚNICO profissional habilitado a prescrever dietas (Lei nº 8.234, de 17 de setembro de 1991) indicando exatamente os alimentos e as quantidades que devem ser consumidas, a partir de cálculos individualizados . Atua em diversas áreas, que vão desde a assistência hospitalar e clínica até a coordenação e supervisão da produção de alimentos em refeitórios. Habilitado a prescrever um tratamento dietoterápico, o nutricionista pode também fazer uso de suplementos e fitoterápicos na complementação de dietas, mas NÃO pode receitar medicamentos.
O nutrólogo é o médico que fez uma especialização em nutrição e, por isso, possui conhecimento bem maior na área do que outros médicos. Atua no diagnóstico, prevenção e tratamento de desordens do sistema gastrintestinal e carências de nutrientes, por exemplo, podendo propor ao paciente mudanças de hábitos de vida, em particular de hábitos dietéticos, mas NUNCA prescrever dietas específicas. Por ser médico, pode prescrever medicações para o tratamento das patologias diagnosticadas.
O endocrinologista é o médico especializado em tratar desordens ligadas às glândulas de secreção interna e que por isso afetam diretamente o metabolismo. Entre suas áreas de atuação encontram-se: andropausa, colesterol e triglicerídeos, distúrbios no crescimento, diabetes, distúrbios da menstruação, distúrbios da puberdade, obesidade e problemas na glândula tireóide. A atuação do endocrinologista está, então, ligada às desordens em funções específicas do organismo, o que não ocorre com a população em geral. Como qualquer outro médico, está habilitado a prescrever medicações, e aí entram os reguladores de apetite (que, vale salientar, devem ser utilizados quando há real necessidade). NUNCA podem prescrever dietas.
                                                                                                                                      
Na grande maioria dos casos, o fracasso das dietas está ligada a um ponto importante e que é muito esquecido: reeducação alimentar. Para alcançar o peso ideal e, consequentemente, saúde, é preciso aceitação dos erros alimentares cometidos para que só assim aconteçam mudanças eficazes. A obesidade, por exemplo, tem ligação muito mais comum com erros cometidos durante a alimentação do que com produção excessiva ou deficiente de hormônios.
A maioria das pessoas que deseja perder peso, por exemplo, quer resultados imediatos e recorrem às medicações, o que só deveria acontecer em casos específicos diagnosticados por endocrinologistas e nutrólogos. Na consulta com nutricionistas, o processo precisa respeitar os limites de tempo do organismo e somente assim é possível emagrecer ou ganhar massa muscular de forma saudável e evitar/ tratar por meio da alimentação (juntamente à medicação) problemas como diabetes, obesidade, gastrite, câncer e doenças renais - tudo dependendo da regulação natural de cada indivíduo.
Em resumo: cada profissional é importante e fundamental em sua área de atuação, mas casos distintos exigem olhares distintos, especialidades diferentes - lembrando que pode ser necessária a atuação conjunta desses profissionais, o que prova mais uma vez a diferença entre eles.

Fontes: http://www.sbem.org.br/
            http://www.cfn.org.br/
            http://www.abran.org.br/
            http://www.esteticaguia.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário